Projeto Manguezais de Niterói

A primeira iniciativa para o plantio de mudas no entorno da laguna de Itaipu, foi em 1998 quando ao iniciar as Ações Comunitárias do Serviço Civil Voluntário, em parceria com a ONG carioca VIVA RIO, a APREC descobriu que áreas no interior da laguna estavam sendo aterradas. Como forma de preservação da Faixa Marginal de Proteção, foram plantadas as primeiras 42 mudas pelos agentes da cidadania da Estação Futuro Betinho. Agora, aqueles jovens e hoje adultos, falam com orgulho daquela iniciativa de conservação.

Após o derramamento de óleo em 2000, um diagnóstico de áreas de plantio na baía de Guanabara, levou o IBAMA à formação do Consórcio Baía Azul, onde a APREC ficou responsável pelo plantio de 2 ha na laguna de Itaipu.

Para a definição dos transets de plantio, foram avaliados os indicadores de microrelevo, análise de salinidade intersticial do sedimento, consultas a Tábua de Marés (DHN, 2001) e revisão bibliográfica. Os estudos referidos para a seleção de espécies levaram à opção de plantio por Rhizophora mangle e Laguncularia racemosa, em áreas regularmente inundadas pela maré e da espécie A. schauerianna utilizada em regiões periféricas com pouca influência das marés de quadratura.

Atividades Desenvolvidas

Produção de Mudas

Ao realizar o estudo para o plantio de espécies nativas de manguezais faz-se necessário avaliar a metodologia que melhor se adequar às condições da área. Com base em estudos preliminares selecionamos as mais utilizadas em projetos de reflorestamento, a saber:

  • Com utilização de propágulos para plantio direto;
  • Com a utilização de mudas para plantio direto;
  • Produção em estufa experimental de mudas e posterior plantio.

Para obtermos maior velocidade no reflorestamento em cumprimento ao cronograma estabelecido, pode-se adotar o plantio direto, utilizando para tanto as mudas e propágulos selecionadas nas áreas demarcadas como doadoras dos municípios de Magé e São Gonçalo, além daquelas produzidas por hidroponia. É previsto o plantio de 1.000.000 (hum milhão) de mudas/ propágulos.

Com utilização de propágulos para plantio direto:

Conceitualmente estruturas produzidas pelos vegetais que após a maturação resultam em um novo exemplar, sendo que no caso dos propágulos, estes apresentam uma especialização visto que a estrutura vegetativa ao se desprender da planta mãe, já possui as propriedades necessárias ao pleno desenvolvimento da planta. Nesse método foram levantadas e avaliadas as áreas que possuem excesso de propágulos, quantificando o número necessário para serem utilizados no plantio, demarcando-se as áreas doadoras, devendo-se tomar o cuidado para não concentrar a retirada em um mesmo local, pois poderia prejudicar a regeneração natural dessas áreas. Com essa técnica limita-se o índice de densidade do povoamento das áreas doadoras, que na verdade é uma técnica utilizada em manejo florestal, permitindo um maior desenvolvimento das plantas-mãe.

Coleta de propágulos

Os propágulos maduros coletados são acondicionados em sacos plásticos e posteriormente transportados para as áreas de plantio, onde são fincados na posição vertical. Este processo tem como vantagem um menor volume e peso de transporte do material vegetativo, porém os propágulos que têm em média 15 centímetros de comprimento (Rhizophora mangle), e por conseqüência dificuldade de fixação, ficam suscetíveis a grandes perdas devido ao impacto das oscilações de maré.

Com a utilização de mudas para plantio direto:

As mudas são retiradas, com o auxílio de ferramentas adequadas como a pá de bico, tomando-se o cuidado de não prejudicar o seu sistema radicular ainda em formação, e colocados em sacos plásticos, para não perderem as condições orgânicas durante o transporte para a área de plantio definitivo. No local de plantio definitivo são abertas as covas para a introdução das mudas.

Transporte de mudas

Produção em estufa experimental de mudas e posterior plantio:

Esse método consiste na construção de uma estufa, dimensionada conforme a necessidade de campo, onde os propágulos são colocados em sementeiras de isopor, tendo como substrato material neutro. O tempo médio de permanência na estufa gira em torno de 75 dias. Após esse período as mudas são encaixotadas e transportadas para a área de experiências de plantio. A APREC Ecossistemas Costeiros construiu em suas dependências uma estufa baseada na técnica de hidroponia, após a realização de experiências de reprodução das três espécies citadas, chegou-se a uma produção média de 8.000 mudas/mês.

Inauguração da estufa hidropônica

Para obtermos maior velocidade no reflorestamento em cumprimento ao cronograma estabelecido, pode-se adotar o plantio direto, utilizando para tanto as mudas e propágulos selecionadas nas áreas demarcadas como doadoras dos municípios de Magé e São Gonçalo, além daquelas produzidas por hidroponia. É previsto o plantio de 1.000.000 (hum milhão) de mudas/ propágulos.

Preparação do Terreno, Plantio e Monitoramento

  • Avaliação do estado dos locais e seleção das áreas prioritárias para a recuperação: realização de levantamentos e visitas in situ com a produção de um acervo fotográfico e confecção de roteiros e realização de entrevistas, principalmente com a comunidade de pescadores. Na sede da APREC são avaliados os dados levantados, decidindo-se pela melhor estratégia de plantio.
  • Caracterização in loco das áreas selecionadas: com base em mapas e cartas náuticas, dimensionamento e demarcação das áreas de plantio, definindo-se o acesso à área e a espécie a ser plantada.
  • Preparação das áreas para o plantio: inicialmente realiza-se a limpeza das áreas de plantio, sendo visitados os municípios de Rio de Janeiro, Magé e São Gonçalo para demarcação das áreas doadoras de propágulos e mudas.
  • Plantio: seguindo os procedimentos técnicos relativos, atribuindo a cada muda os seus atributos de altura, diâmetro, número estimado de folhas, dia e hora do plantio, e dados oceanográficos para monitoramento e produção de dados primários para composição de artigos e publicação em revista especializada.
  • Manutenção e monitoramento: elaboração de formulários específicos para o procedimento, bem como a definição de escalas de. Além do controle sobre estágios de crescimento do vegetal, substituição das mudas sujeitas a algum tipo de stress, e qualquer outro tipo de dano que for diagnosticado e registrado.

Relatório do IBAMA atestou os seguintes números finais:

Também a imprensa deu destaque ao trabalho realizado...

Até ações mal - intencionadas não conseguiram ofuscar o brilho do trabalho da APREC...

Sentença obtida em defesa do projeto (Fundação Onda Azul - Rio de Janeiro)

Sentença obtida em defesa do projeto (CREA Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura - Rio de Janeiro)

Assim como o reconhecimento dos méritos do projeto...